quinta-feira, 19 de dezembro de 2019

NATAL NA BECRE D. CARLOS I


Desejamos a todos os nossos queridos leitores umas boas festas recheadas de inesquecíveis leituras e  relembramos que estaremos abertos durante todo o período de interrupção letiva. 




Deixamos-vos ainda com um poema que mais do que para a ideia de Natal nos remete para o sentido da vida.



POEMA DE NATAL




Para isso fomos feitos:
Para lembrar e ser lembrados
Para chorar e fazer chorar
Para enterrar os nossos mortos —
Por isso temos braços longos para os adeuses
Mãos para colher o que foi dado
Dedos para cavar a terra.

Assim será nossa vida:
Uma tarde sempre a esquecer
Uma estrela a se apagar na treva
Um caminho entre dois túmulos —
Por isso precisamos velar
Falar baixo, pisar leve, ver
A noite dormir em silêncio.

Não há muito o que dizer:
Uma canção sobre um berço
Um verso, talvez de amor
Uma prece por quem se vai —
Mas que essa hora não esqueça
E por ela os nossos corações
Se deixem, graves e simples.

Pois para isso fomos feitos:
Para a esperança no milagre
Para a participação da poesia
Para ver a face da morte —
De repente nunca mais esperaremos...
Hoje a noite é jovem; da morte, apenas
Nascemos, imensamente.



Sophia de Mello Breyner Andresen 


FELIZ NATAL!

quarta-feira, 18 de dezembro de 2019

MAGIA DO TEATRO NO 1.º CICLO DA EB1 D. CARLOS I

O Núcleo de Consolidação B da EB D. Carlos I presenteou este Natal todos os colegas e Encarregados de Educação com a apresentação de duas fabulosas peças: “As Renas Rodolfo e Flóquito “ e “ O Cavaleiro da Serra de Sintra”. 


O setor 1 deste núcleo, inspirado pela música da rena Rodolfo que se ouve por toda a parte, pediu ajuda ao Professor Luís Malveiro para adaptar esta história e transformá-la num texto para dramatizar. Após muito trabalho e dedicação surgiu a fabulosa peça “As Renas Rodolfo e Flóquito”, uma história cheia de humor e que, tal e qual a história da rena Rodolfo, enaltece valores como o respeito pela diferença, o reconhecimento dos erros e a importância da amizade.












O setor 2 quis comemorar o centenário do nascimento da escritora Sophia de Mello Breyner Anderson com a adaptação para teatro da sua obra “O Cavaleiro da Dinamarca”. Assim como os seus colegas do NCB1, estes alunos contaram com a ajuda do professor Luís Malveiro. 

E assim, com a inspiração da paisagem da Serra de Sintra e com muita dedicação, desenvolveram a peça “O cavaleiro da Serra de Sintra”, cheia de situações muito giras, em que as personagens têm sotaques muito engraçados e que fazem referências cheias de humor. Enaltecem-se aqui valores como os da família, da amizade e do espírito natalício. E quem quiser acreditar, pois é tudo fantasia, esta história diz como apareceu o costume de fazer a árvore de Natal.






Foi muito divertido para todos preparar, ensaiar, desenvolver e construir todos os adereços para estas peças. Todos se divertiram muito a apresentar estas peças, e muitos ficaram com o bichinho do teatro e desejam voltar a criar, desenvolver e representar outras peças.
Foi uma bela prenda de Natal para todos!


Professor Luís Malveiro






FORMAÇÃO DE ALUNOS MONITORES

Decorreu no dia 18 de dezembro de 2019, uma sessão de formação para todos os trinta Alunos Monitores da Biblioteca Escolar D. Carlos I. 


Após a formação que incidiu sobre as competências e funções dos Alunos Monitores, foram solenemente entregues os cartões de identificação para o ano letivo de 2019_20.




Num segundo momento e com o intuito de reforçar os laços entre os Alunos Monitores com mais experiência e os que apenas iniciaram funções neste ano letivo, realizou-se um convívio onde não faltaram inúmeras iguarias e um especial calorzinho típico desta época Natalícia. 

Parabéns a todos os Alunos Monitores que em muito contribuem para que a Biblioteca Escolar desempenhe a sua missão de apoiar o desnvolvimento do currículo e a formação de leitores. 

Bom ano para todos!



 







5.º D ENCENA "A NOITE DE NATAL" DE SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDRESEN

No dia 18 de dezembro de 2019, sob a orientação da Professora Sandra Santos e em articulação com a Biblioteca Escolar D. Carlos I, os alunos do 5.º D da EB D. Carlos I levaram à cena uma adaptação da peça  A Noite de Natal de Sophia de Mello Breyner Andresen.



A mesma culminou com a entoação de duas belíssimas músicas de Natal ensaiadas pelo Professor Victor Santos de Educação Musical.



Ao longo de cinco sessões, os pequenos atores fizeram as delícias de Pais, Encarregados de Educação e outros alunos, despertando no coração de todos, o mais puro e terno espírito de Natal.


Parabéns a estes alunos e sobretudo à Professora Sandra Santos que tem dedicado algum do tempo da disciplina de Português ao desenvolvimento de atividades ligadas ao teatro e que em muito contribuem para a formação integral dos alunos.


Feliz Natal para todos! 








segunda-feira, 16 de dezembro de 2019

BECRE D. CARLOS I PARTICIPA NOVAMENTE EM PROGRAMA INTERNACIONAL DE CINEMA


Pelo quinto ano consecutivo, a Biblioteca Escolar D. Carlos I desenvolve atividades no âmbito do Plano Nacional de Cinema. O Plano Nacional de Cinema (PNC) está previsto como um plano de literacia para o cinema e de divulgação de obras cinematográficas junto do público escolar e pretende formar públicos escolares, despertando nos jovens o hábito de ver cinema, bem como valorizá-lo enquanto arte junto das comunidades educativas.

De referir que o Plano Nacional de Cinema é uma iniciativa conjunta da Presidência do Conselho de Ministros, através do Gabinete do Secretário de Estado da Cultura, e do Ministério da Educação e Ciência, pelo Gabinete do Secretário de Estado do Ensino Básico e Secundário, e operacionalizado pelo Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA), pela Cinemateca e pela Direção-Geral da Educação (DGE).

A BECRE D. Carlos I associa-se assim às iniciativas de aplicação da "Nova Lei do Cinema" que preveem a divulgação de obras cinematográficas de importância histórica, e em particular das longas-metragens, curtas-metragens, documentários e filmes de animação de produção nacional.

Assim sendo, e uma vez que a Biblioteca Escolar D. Carlos I tem como missão a promoção das várias literacias: da leitura, da informação e dos media e acreditando que um programa para a literacia do cinema junto dos nossos alunos ajudaria a consolidar essa missão, a mesma decidiu integrar as oficinas do programa internacional "Cinema, Cem Anos de Juventude" como programa de reflexão pedagógica.




O projeto CINEMA CENT ANS DE JEUNESSE /CINEMA CEM ANOS DE JUVENTUDE, onde no presente ano letivo participam 43 oficinas de 16 países, é coordenado pela CINÉMATÈQUE FRANÇAISE e tem como parceiro cultural em Portugal a Associação *Os Filhos de Lumière com a Cinemateca Portuguesa em Lisboa.



As oficinas que tiveram o seu início em setembro de 2019 e decorrerão até ao final de junho de 2020, são animadas por um profissional de cinema, neste caso a Cineasta Nathalie Mansoux, em colaboração com uma Equipa Pedagógica, Professoras Cristina Didelet e Sandra Pratas, e nela participam alunos do 9.º A e 9.º E.


Ao longo do primeiro semestre, e de acordo com as *Regras do Jogo que são dadas a todos os participantes, os alunos realizaram primeiramente pequenos exercícios individuais. As Regras do Jogo são a base do que deverá ser pensado e posto em prática com cineastas, professores e alunos ao longo do ano, através de exercícios práticos, para que estes possam explorar e apropriar-se da questão a ser trabalhada este ano e que trata “AS SENSAÇÔES NO CINEMA”.


Estes exercícios culminarão no segundo semestre com a criação de um filme-ensaio coletivo, sempre em relação com a *Questão de Cinema do ano em curso, ou seja, as sensações.

De referir que a mesma é pensada e escolhida em cada ano em conjunto (pelos parceiros culturais dos 16 países e os coordenadores da Cinemateca Francesa) e a sua metodologia é trabalhada sob a coordenação pedagógica de Alain Bergala.


Antes de se passar à fase de realização deste *Filme-Ensaio coletivo, foi imprescindível o visionamento de excertos de filmes associados à realização dos exercícios, que ajudaram a precisar e a compreender a questão. E obviamente que ao longo destas oficinas será prática regular o visionamento dos excertos de filmes, a fim de estimular o questionamento e a criatividade dos alunos participantes. 


A apresentação dos filmes-ensaio dos alunos terá lugar no verão de 2020 na Cinémathèque Française em Paris, e contará com a presença dos professores, cineastas, parceiros culturais, mas também de pequenas delegações de alunos oriundos dos 16 países envolvidos: Alemanha, Argentina, Brasil, Bulgária, Chile, Colômbia, Espanha, França, Índia, Itália, Japão, Lituânia, México, Portugal, Reino Unido (Inglaterra e Escócia), e Uruguai.


De destacar as sessões de rodagem em que os nossos jovens cineastas tiveram oportunidade de se dividir em equipas técnicas e assumir o papel de realizadores de cinema e chamando a si a responsabilidade de todas as decisões técnicas e artísticas. Estas rodagens cumpriram o objetivo principal de tornar possível uma verdadeira experiência de cinema, levando os alunos a conseguir realizar um filme de que se sentem os autores.




Uma das directrizes deste programa é a de que os filmes realizados pelos alunos permaneçam próximos do seu universo de crianças e adolescentes, evitando-se por exemplo que as crianças façam papéis de adultos.

A meta é a de exprimir qualquer coisa de «verdadeiro» sobre os seus lugares e hábitos de vida.



Também, para guardar um registo das suas jornadas cinematográficas e ajudá-los a refletir sobre as suas abordagens, os alunos são convidados a exprimir-se de duas maneiras :   ou através do Caderno de Cinéma, Cent Ans de Jeunesse, ou outro caderno, que pode ser utilizado na sala de aula ou em casa, caderno no qual eles podem lançar notas pessoais como se se tratasse de um diário, ou ainda através de entradas no blogue da Cinémathèque française disponível em http://blog.cinematheque.fr/100ans20192020/.


Um outro objetivo a perseguir será o de que cada oficina se apresente, comunique e estabeleça um verdadeiro intercâmbio com as outras 11 oficinas de Portugal bem como com as dos restantes países ao longo de todo o ano. 


Lembramos que este programa faz parte das Academias do Conhecimento promovidas pela Fundação Calouste Gulbenkian e também do projecto O Mundo À Nossa Volta, apoiado pelo Instituto do Cinema e do Audiovisual e pelas Câmaras Municipais dos municípios envolvidos, vários selos de indubitável qualidade cultural e didática.


Também sem dúvida que esta participação assegurará uma experiência imorredoira para todos quantos nela participaram!